14.9 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Abril 16, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Aldeia de Safira: uma joia preciosa abandonada no Alentejo e da qual restam apenas destroços!

No concelho de Montemor-o-Novo, encontra-se a aldeia de Safira, que apesar de ter nome de pedra preciosa, dela restam apenas destroços e os vestígios de um local que foi em tempos cheio de vida e próspero.

Safira é um pedaço de terra esquecido e perdido no meio do Alentejo, estando desabitada desde 1930 e votada ao abandono total desde 1965.

De acordo com a Vortexmagazine, o  abandono deveu-se à necessidade de procurar melhores condições de vida e de futuro, já que a aldeia era bastante isolada.

As ruínas de Safira ainda podem ser visitadas,

Safira é uma das muitas aldeias, espalhadas pelo nosso país, que o progresso votou ao abandono. 

Já em 1768, por exemplo, o padre Thomás de Vasconcelos Camello, na altura pároco da Igreja de Nossa Senhora de Safira, referia que na freguesia existiam “57 propriedades, e nelas se incluem 120 fogos onde residem 578 pessoas. No alto de uma charneca estão edificadas a igreja e as casas do padre e do sacristão”.

Há ainda indícios da existência de uma fábrica de cal, de uma mina de arsénio na Herdade Gouveia de Baixo, e de uma mina de cobre e ferro na Herdade da Caeira. 

Safira foi local de título de nobreza, para Augusto Dâmaso Miguens da Silva Ramalho da Costa, que era um grande proprietário em Montemor-o-Novo, tendo sido Presidente da Câmara local.

Por decreto do rei D. Luís, foi elevado a Visconde, a 30 de abril de 1886, e mais tarde recebeu o título de conde de Safira. O nobre acabou por falecer a 3 de fevereiro de 1945, sendo que o título se extinguiu com ele.

A igreja de Safira é também rica em história, embora se encontre, abandonada.

Hoje, restam a fachada e paredes de um edifício que foi mandado construir no bispado do Infante Cardeal D. Afonso, no séc. XVI, filho de D. Manuel I e que foi bispo de Évora e de Lisboa. 

Apesar de tudo, as ruínas de Safira merecem uma visita atenta, de modo a que possa absorver os vestígios do passado que nesta aldeia se encontram.

Fonte: Vortexmagazine

Populares