14.9 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Abril 16, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Estremoz: Rui Pimentel inaugurou “Uma Biblioteca em Estremoz”. Exposição “vai marcar a história deste Palácio em termos da qualidade” (c/som e fotos)

Foi inaugurada este sábado, dia 23 de julho, pelas 16h00, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, a exposição “Uma Biblioteca em Estremoz” de Rui Pimentel.

Esta exposição surge da vontade de Rui Pimentel mostrar em público o trabalho realizado, com o objetivo de decorar os tetos da sua biblioteca, antes da sua colocação no lugar.

Rui Pimentel e a sua esposa trocaram a sua residência em Lisboa, por uma habitação em Estremoz numa casa antiga e em ruínas, que reabilitaram.

É nessa recuperação que surge a ideia de pintar o teto em caixotão duma das salas, a biblioteca. O projeto teria o “working title” de “Capela sistina”.

O tema das pinturas seguiria alguns dos assuntos dos livros existentes nas prateleiras: Arte (Pintura e Escultura), Cinema, Banda Desenhada, História e Literatura. A ideia das pinturas é apresentar os autores acompanhados de uma das suas obras mais significativas, num estilo entre o retrato e a caricatura.

À reportagem da Rádio campanário, Rui Pimentel referiu que é arquiteto, mas tem feito ao longo da sua vida, “muito desenho e caricaturas para a Visão desde 1987 até 2007 (…) fazia uma caricatura por semana. Este projeto é uns painéis que eu fiz, recuperei uma casa em Estremoz onde estou a viver, e há uma sala biblioteca, e eu achei que era engraçado fazermos uns painéis, são os cinco temas principais que há na minha biblioteca em termos de livros, literatura, arte, cinema, história e banda desenhada (…) e antes de os pôr no sítio, achei que era giro mostrar às pessoas, porque depois que estiverem no teto é mais complicado voltar a tirá-los”.

Sobre se neste momento em Portugal se fazerem menos caricaturas, Rui Pimentel declara que “há muito menos agora, a própria imprensa está muito menos aberta do que estava há uns dez anos, não sei se por medo da crítica que se faz na caricatura, mas eu desde que saí da Visão, não tenho trabalhado para nenhum jornal regularmente, faço coisas mas esporadicamente, mas noto que os meus colegas têm menos trabalho do que tinham há uns anos”. 

O Diretor do Museu Municipal de Estremoz, Hugo Carrilho, em declarações a esta Estação Emissora, depois de agradecer a presença da Rádio Campanário expressou que esta exposição “vai marcar a história deste Palácio em termos da qualidade. O Palácio nasceu para isto, a renovação foi mesmo para este tipo de exposições, grandes exposições de artistas plásticos e temos aqui o Rui Pimentel que é um cartoonista sobejamente conhecido e é a primeira exposição que aqui vai fazer com esta exposição, de uma biblioteca em Estremoz (…) ele fez questão, da cidade onde tem a sua casa, fazer aqui a exposição. É fantástica, fabulosa, em que difícil falar por palavras”.

Hugo Carrilho deixou um convite, “eu aconselho toda a gente que possa, que venha ver e verão figuras em banda desenhada, caricaturas desde a área da política, à literatura, ao cinema, e quem já tem uns aninhos, vai achar graça porque vai se lembrar das coisas do seu tempo de miúdo e consegue juntar o útil ao agradável que é recuperar memórias”.

A atriz Maria do Céu Guerra também marcou presença na inauguração da exposição de Rui Pimentel, tendo referido à Rádio Campanário que agradece ao Alentejo, “por receber-me sempre tão bem, cada vez que cá venho, e depois, dá-nos estas joias, como esta exposição, como a restauração deste Palácio que também é uma joia”.

Expressa que “a caricatura não está nem nunca estará em extinção porque a caricatura vive da sátira, do sentido critico, vive do prazer que nos dá, a denuncia ou ampliação dos defeitos grandes ou pequenos de quem estamos a criticar ou a caricaturar e é uma arte extraordinária, única”.

A atriz afirma que o Rui Pimentel “é um mestre e deu-nos durante tantos anos, o gosto de o vermos a desenhar na visão e noutras revistas e jornais, e agora podemos ver esta obra extraordinária (…) e que em boa hora a câmara resolveu abrir a porta e esta exposição”.

Populares