15.4 C
Vila Viçosa
Sexta-feira, Junho 21, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Eurodeputado do BE fala sobre as eleições Europeias e sobre os casos da justiça que estão a causar pressão na campanha do PS

O Eurodeputado José Gusmão, do Bloco de Esquerda, comentou na revista de imprensa de hoje as eleições Europeias e sobre os casos da justiça que estão a causar pressão na campanha do PS.

No que diz respeito ao primeiro tema, o eurodeputado do BE começou por referir “independentemente das escolhas de cada um é muito importante que se compreenda que as eleições europeias funcionam de uma forma diferente das eleições legislativas” evidenciando que nas europeias “toda a gente vota para todo o País ou seja para os 21 eurodeputados que irão ser eleitos, logo não círculos eleitorais pequenos , distritais ou votos desperdiçados.” O Eurodeputado sublinhou ainda a “importância de ter uma representação plural no parlamento europeu.” No que diz respeito à abstenção , José Gusmão realçou “todos os votos contam; é preciso combater a abstenção porque a extrema direita, as forças que querem atacar a democracia, irão votar e não o podemos deixar ganhar espaço.”

Relativamente aos casos políticos que estão a causar pressão na campanha do Partido Socialista, o nosso comentador salientou “quem aproveita notícias sobre processos judiciais em campanha eleitoral para ganhar votos está a prestar um mau serviço à democracia e está a prestar um mau serviço à justiça.” Relativamente ao caso das Gémeas considera ser “um caso que causa muita indignação porque havendo problemas de acesso ao SNS , Portugueses que esperam muito tempo para consultas , a ideia de que possa haver favorecimento é uma ideia que indigna as pessoas e com toda a razão.”

O tema da saúde, esclarece ainda “está em debate nestas europeias uma vez que as novas regras orçamentais restringem aquilo que o País pode investir no SNS para lhe dar outra capacidade de resposta e portanto o que é necessário fazer nestas eleições é ir votar em defesa do SNS e contra o regresso das políticas de austeridade.”

Populares