8.7 C
Vila Viçosa
Domingo, Fevereiro 25, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Nesta quarta-feira 22/11, O Eurodeputado João Pimenta Lopes comentou as eleições legislativas e o tráfico de seres humanos no Alentejo na Rádio Campanário(c/som)

Nesta quarta-feira 22/11, O Eurodeputado João Pimenta Lopes comentou a atual situação política de Portugal e o combate ao tráfico de seres humanos no Alentejona Rádio Campanário(c/som)

Nesta quarta-feira, um dos principais tópicos da conversa foi a situação política em Portugal nomeadamente as próximas eleições legislativas, com o resultado das últimas sondagens efetuadas que dão a vitória ao PS, quer as eleições internas sejam ganhas por Pedro Nuno Santos ou José Luis Carneiro.

O Eurodeputado do PCP abordou ainda a questão de o PCP estar disponível para uma nova “gerinbgonça” caso o resultado das eleições leve a que tenha que existir um entendimneto entre partidos.

Foi ainda abordada a questão das redes ilegais de imigrantes, depois de uma megaoperação levada a cabo pela PJ no Baixo Alentejo esta terça-feira.

O Eurodeputado do PCP, em relação ao primeiro tema, começou por referir “a solução encontrada em 2015, a geringonça, dificilmente será repetida” acrescentando “no dia 10 de março os portugueses terão que decidir se querem manter aquilo que é um enquadramento de implementação de políticas de direita que tem vindo a agravar a condição d evida das populações ou se, pelo criam as condições, nomeadamente na correlação de forças criar as dinâmicas que permitam a implementação de outras políticas.”

O Eurodeputado desvalorizou ainda as Sondagens em Portugal “ têm sido madrastas do ponto de vista do que é a relação entre a previsão e a realidade”.

No que diz respeito ao segundo tema, a operação de combate ao Tráfico de seres humanos no Alentejo, o Eurodeputado sublinhou “trata-se de gente que vem com uma mão à frente e outra atrás , muitas vezes por redes de tráfico de pessoas, e que servem o objetivo de alguém…alguém beneficia desse tráfico e do trabalho em condições de escravidão destas pessoas.”

“É necessário combater estas redes” concluiu.

Populares