17 C
Vila Viçosa
Quarta-feira, Maio 22, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

“O projeto de cerca de 6M€ que temos para Terena é ambicioso mas aumentará a atratividade da Vila” diz Pres. João Grilo(c/som)

A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, esteve esta sexta-feira no concelho de Alandroal, onde visitou algumas das obras que decorrem no concelho, obras estas que contemplam Fundos Comunitários.

A Governante começou a visita em Terena, onde visitou o projeto de regeneração urbana da Vila, e posteriormente esteve no edifício da Biblioteca Municipal/Centro Comunitário de Alandroal e ainda na Escola Básica Diogo Lopes de Sequeira.

A visita foi acompanhada pelo Presidente da Câmara Municipal de Alandroal, Dr. João Grilo, e pelo Presidente da CCDR Alentejo, Dr. Ceia da Silva, e insere-se no âmbito das iniciativas do governo para promover a coesão e o desenvolvimento territorial.

Em declarações aos jornalistas, no final da visita, o Presidente da Câmara Municipal de Alandroal referiu a importância destes projetos para o concelho, sublinhando, a propósito da visita da Ministra Ana Abrunhosa “nós temos mantido uma comunicação constante com o Governo” enaltecendo “o papel relevante desempenhado pela Ministra da Coesão Territorial num novo ministério , numa lógica de aproximação ao território, de perceção de quais são os projetos estruturantes para cada concelho, inaugura uma era que merece continuidade e mostra um caminho que não pode voltar atrás no que diz respeito à ligação do Governo aos territórios.”

No que diz respeito ao concelho de Alandroal, o Autarca especifica “por força dos ciclos eleitorais, entrámos um pouco tarde no Portugal2020 mas ainda conseguimos estruturar alguns projetos que estão agora em conclusão” acrescentando que o executivo pretende agora “replicar as lógicas do anterior quadro comunitário no PT2030 considerando que projetos de reabilitação de património, como acontece em Juromenha e deve acontecer em Terena, assim como projetos de criação de equipamentos estruturantes, como acontece com a Escola Diogo Lopes de Sequeira e e a Biblioteca Municipal, e outros projetos ligados à dinâmica empresarial, dão-nos uma perspetiva de desenvolvimento futuro muito importante e que não pode ter interrupções.”

Para já o objetivo do executivo liderado por João Grilo é “assegurarmos os financiamentos necessários para mantermos este ritmo de investimento com estas prioridades” o que, em termos financeiros, explica o Presidente da Câmara Municipal “levaria o Município a ter que angariar cerca de 10 milhões de euros no novo quadro comunitário, o 2030, para darmos continuidade a este trabalho.”

Atualmente, o Município de Alandroal tem para já garantidos 3 milhões de euros.

No que diz respeito ao projeto da Biblioteca Municipal, processo que por diversas vezes já esteve em fase de início de obra nunca chegando a concretizar-se esse desígnio, João Grilo refere “nós não somos de desistir” explicando que “houve um momento, na história deste projeto, onde as questões políticas, de forma inaceitável, acabaram por travar esta obra estruturante, o que agora não se verifica.”

Para que o processo possa avançar, explica o Autarca “é só encontrarmos os financiamentos e avançarmos novamente.”

No que diz respeito a Terena, João Grilo é pereptório “ Terena tem tudo, falta encontrar os atrativos para que as pessoas não se limitem a passar e optem por parar.”

Uma vila histórica, medieval, com muito potencial e com um castelo que pode ser valorizado “através da realização de eventos, seguindo o exemplo do que tem sido feito no Castelo de Alandroal.”

Pretende ainda o executivo que nesta vila, a antiga Misericórdia e os antigos paços do concelho sejam reabilitados fazendo a ponte com “o Museu, com o Parque Verde, que criou uma nova centralidade e uma nova entrada privilegiada da Vila.”

É um projeto ambicioso mas uma vez concluído pode colocar Terena no mesmo patamar de atratividade de Juromenha” assegurou João Grilo que, no que diz respeito ao investimento deste projeto referiu andar na ordem dos “5 a 6 milhões de euros” do qual, explicou, “para uma primeira fase, já há financiamento garantido no âmbito do novo quadro comunitário, perspetivando-se a candidatura para 2024 logo que abram os avisos correspondentes.”



Populares