22 C
Vila Viçosa
Quarta-feira, Julho 24, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Portugueses gastam, em média, mais 3,48% em bens não alimentares, devido à inflação

Um ano após o início da Guerra na Ucrânia, os consumidores portugueses gastam, em média, mais 3,48% em bens não alimentares de compra recorrente, revela uma análise do comparador de preços KuantoKusta a mais de 40 mil artigos de compra recorrente, entre 15 de fevereiro de 2022 e 15 de fevereiro deste ano.

Das 43 tipologias de produtos não alimentares de consumo recorrente, registaram-se alteração de preços em 42 das tipologias, sendo que 33 ficaram mais caras e 9 desceram de preço. Apenas uma não sofreu variação significativa de preços.

A variação média de preços na lista de produtos analisada pelo KuantoKusta foi de +3,48%, o que significa que, em média, o consumidor precisa de gastar mais 21,03€ hoje, para comprar a mesma lista de produtos, do que há um ano. Os produtos em análise estão inseridos em quatro categorias: saúde e beleza, puericultura, animais de estimação e casa e decoração.

O aumento mais expressivo de preço verificou-se na categoria de limpeza e artigos para o lar, onde o papel higiénico teve um aumento médio de preço de 3,73€ em relação a 2022, o que representa uma subida de 27,21%. Os detergentes para chão e multiusos subiram 4,67% e os detergentes e amaciadores para a roupa estão 2,91% mais caros. Todos os produtos analisados nesta categoria sofreram um aumento de preços de 4,03%.

Já no cabaz de produtos para animais de estimação, a variação de preços foi de +6,47%, com destaque para as rações secas, que tiveram aumentos de 13,66% no caso da ração para cães e de 13,42% na ração para gatos.

Em saúde e beleza, a variação média para a totalidade dos produtos analisados é a menos expressiva, de apenas +0,58%, mas verificou-se uma maior amplitude na variação. Os maiores aumentos foram em desodorizantes (+6,82%), máscaras para o cabelo (+2,63%) e em condicionadores de cabelo (+2,09%).

No entanto, quem trocar de escova de dentes em 2023, pagará em média menos 0,44€, o que representa uma variação do preço médio de -7,75%. A segunda descida de preço média mais expressiva verificou-se nos cremes depilatórios, onde a variação foi de -7,16%.

Por último, a área de puericultura registou um aumento de preços de 1,63%, com destaque para a alimentação para bebés e crianças que registou uma variação média de preço de +8,81%.

“Esta análise comprova o impacto significativo da guerra nos preços dos bens não alimentares de consumo recorrente. Um dos aumentos mais significativos verificou-se na alimentação para animais, pois são em parte feitas com cereais, uma das principais matérias exportadas pela Ucrânia”, destaca André Duarte, diretor comercial do KuantoKusta. 

“No que diz respeito aos artigos de saúde e beleza, estes são mais suscetíveis de sofrer alterações de preço devido às promoções e às campanhas comerciais mais agressivas nesta área.”, conclui.

 

Foto ilustrativa

Fonte: PressMedia

Populares