18.7 C
Vila Viçosa
Quinta-feira, Maio 30, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Reguengos de Monsaraz: Ministro do Planeamento e das Infraestruturas na assinatura do auto de consignação da nova ponte sobre o Rio Degebe (c/som e fotos)

O Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta sexta-feira, dia 5 de agosto, em Reguengos de Monsaraz para dar início à construção da variante e de uma nova ponte sobre o Rio Degebe na Estrada Nacional 256 para substituir a Ponte do Albardão. A obra tem como finalidade, a correção do traçado com várias curvas nesta zona da estrada onde já se registaram muitos acidentes.

A cerimónia de assinatura do auto de consignação decorreu no Salão Nobre dos Paços do Município, pelas 10h30, onde estiveram presentes, para além de outras individualidades, José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, Carlos Pinto de Sá, Presidente da Câmara Municipal de Évora, Maria Clara Safara, Presidente da Câmara Municipal de Mourão, Carlos Santinho Horta, Diretor da Rede Rodoviária da Infraestruturas de Portugal, e o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e os Deputados, Norberto Patinho e António Costa da Silva.

À reportagem da Rádio Campanário, o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, começou por referenciar que se trata de uma obra muito importante para o Alentejo e “tivemos hoje a oportunidade de constatar um grande consenso até das várias forças politicas relativamente à importância desta obra, uma obra desejada há décadas, uma obra que parece pequena mas é muito importante (…) do ponto de vista da segurança das populações do Alentejo (…) e que liga Évora ao Alqueva, a Reguengos, e que foi a grande luta dos autarcas (…) e que vai diminuir os acidentes, as mortes, que infelizmente no passado aqui aconteceram e toda a gente tem memória nestas terras de alguém que conhece ou conheceu e que infelizmente perdeu aqui algum familiar”.

Pedro Marques acrescenta que apesar das limitações financeiras, “as poucas obras que podem avançar, têm que ser obras de prioridade à segurança, de prioridade à conservação das pontes e é assim que estamos a trabalhar”.

O Deputado Norberto Patinho, eleito pelo círculo eleitoral de Évora do Partido Socialista, expressou que é uma obra “há muito esperada e há muito prometida e muito necessária para o Alentejo porque apesar de ser importante para Reguengos, para Mourão, para Évora, na nossa ligação com Espanha”.

Destaca que “é uma obra do Alentejo e é fundamental, e depois de promessas que houve, de passos decisivos, foram dados passos atrás”, desejando “que não venha a ter andamento contrário no futuro, que não se torne a repetir o que aconteceu em 20111, 2014, em que depois da obra estar toda preparada para ser lançada, alguém decidiu não construir esta, não construir o IP2, à sombra da crise, foi-se adiando o que era fundamental”.

António Costa da Silva, Deputado do PSD, eleito pelo círculo de Évora salientou que a obra “não ficou em stand by porque o concurso foi lançado em 17 de agosto do ano passado, ainda no anterior Governo, na prática havia um programa naquela altura denominado de Programa de Proximidade, para obras de proximidade e esta foi uma obra que foi escolhida no Governo anterior para ser intervencionada aqui no distrito de Évora e é uma obra prioritária porque tem a ver com estradas (…) e é muito importante para estimular a atividade económica”.

José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz referiu à reportagem desta Estação Emissora, que se trata de uma luta não só dos autarcas, mas “da região e serve as populações, fomos protagonistas porque estamos nesta missão neste momento, outros já fizeram o mesmo antes de nós e outros fariam o mesmo se a ponte não tivesse sido consignada no dia de hoje. O que está aqui em causa é um ponto negro gravíssimo porque todos nós temos familiares, amigos, pessoas que conhecemos, que morreram aqui e isso é demasiado grave (…) tudo isso é uma sequencia de dramas pessoais, de pessoas que são nossos concidadãos ao qual é acrescido com importância incomparavelmente menor, mas com grande significado, tudo aquilo que corresponde ao entrave económico do desenvolvimento destas terras porque muitos decisores, muitos investidores, já tomaram as suas decisões de ir para um lado ou ir para outro porque no meio estava esta fraca entrada num território de concelhos como Reguengos e como Mourão”.

Acrescenta que “tudo isso junto, de forma persistente, ao longo de décadas, leva a que isto tivesse que ser uma batalha que travamos até às últimas consequências e as últimas consequências foram positivas”.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, “é um dia de satisfação, de alegria, porque estamos a resolver um problema, que é um problema de Évora, de Reguengos, mas é também um problema do Alentejo e que ceifou aqui muitas vidas”.

Destaca que na sua intervenção referiu que se recorda de quando andava a estudar, dois colegas terem perdido a vida em dois acidentes rodoviários, “ naturalmente ver que vai ser feita a obra que vai resolver este problema, é de grande satisfação”.

Maria Clara Safara, Presidente da Câmara Municipal de Mourão declarou que se trata de uma estrada que “é um ponto negro na segurança rodoviária, todos os habitantes do concelho de Mourão por lá passam, assim como os visitantes, e era uma obra de investimento publico, talvez, a mais pedida pelos habitantes desta região”.

Salienta que a entrada através da fronteira de S. Leonardo, de visitantes espanhóis, “traz muitas empresas transportadoras e que muitas vezes eram os camiões de transportes que vêm de Espanha que batiam na ponte e causavam aqueles pequenos acidentes”, ainda que sem vítimas humanas.

Maria Clara Safara fala ainda da componente a nível de socorro, “o hospital mais próximo de Mourão é o de Évora, e todos os segundos que se chegue ao hospital o mais breve possível, é muito importante porque muitas vidas também correm risco devido às curvas naquele troço”.

O projeto "EN 256 Variante à Ponte do Albardão, incluindo nova ponte sobre o Rio Degebe" está contemplado no Plano de Proximidade 2015-2019 da Infraestruturas de Portugal com um investimento de três milhões de euros e prazo de execução de 300 dias. A variante terá 2,7 quilómetros de extensão e a nova ponte sobre o Rio Degebe ficará com 117,5 metros de comprimento, retirando o trânsito da Ponte do Albardão, que é demasiado estreita e não permite o atravessamento automóvel em simultâneo nos dois sentidos da estrada.
Recorde-se que as obras da variante à Ponte do Albardão, que inclui a ponte sobre o Rio Degebe, já haviam sido anunciadas em maio de 2010 pelo então Secretário de Estado Adjunto, das Obras Públicas e das Comunicações, Paulo Campos, numa cerimónia que decorreu em Reguengos de Monsaraz. Em janeiro de 2011 a autarquia fora informada que a empreitada estava em fase de adjudicação e que as obras se iniciavam nesse ano, mas o procedimento foi anulado em abril de 2014 sem ter sido dado conhecimento ao município.

A EN 256 é uma via fundamental para o concelho de Reguengos de Monsaraz e para os seus munícipes, pois é a principal acessibilidade de ligação a Évora e à capital do país, à autoestrada mais próxima e a Espanha. Esta estrada regista todos os anos um aumento substancial de tráfego, pois para além das deslocações por motivos de trabalho e de lazer entre concelhos vizinhos, o desenvolvimento turístico desta região e o Grande Lago Alqueva têm conduzido a um crescimento significativo de turistas que utilizam esta via.​

Populares