Alentejo

Produtores de porco alentejano preocupados com contágio da peste suína através dos javalis

Regional 22 Jun. 2019

O aumento do número de javalis nos campos do Alentejo está a deixar os produtores do porco preto em alerta, sobretudo pela presença da peste suína em vários países europeus e onde o javali é o maior foco de propagação da doença. 

Para o presidente da Associação de Criadores do Porco Alentejano, Nuno Faustino, citado pela TSF, é tempo de fazer o controlo desta espécie em Portugal com recurso à caça, para que se possa reduzir, ao máximo, o perigo de contágio. 

Embora a peste suína não seja uma doença transmissível aos seres humanos, a entrada em Portugal desta bactéria teria implicações "muito graves" na economia do setor, disse o responsável, que relembra os impactos que teria no Alentejo onde se estima que estejam atualmente 35 mil porcos de montanheira. 

O dirigente recorda que a peste suína africana não é transmissível aos seres humanos - embora seja mortal para os animais - mas acrescenta que a sua entrada em Portugal teria implicações "muito graves" na economia do setor, sobretudo no Alentejo onde estimativas apontam para cerca de 35 mil porcos de montanheira. 

Nuno Faustino disse à TSF que a entrada da doença em Portugal pode significar “um problema económico brutal para todas as explorações de Portugal e mais grave para o porco alentejano”, que atualmente exporta mais de 90% da sua produção, algo que ficaria impedido de acontecer, relembrou. 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Maio 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31