12 C
Vila Viçosa
Domingo, Fevereiro 25, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Uma Procissão é Sempre um Ato de Esperança”: A Fé em Mourão pela voz de Dom Francisco.

Em Mourão, a Rádio Campanário fez a cobertura da solenidade em honra de Nossa Senhora das Candeias, um evento que reúne a fé e a tradição no Alentejo. Durante a cerimónia, foi possível conversar com o Senhor Arcebispo da arquidiocese de Évora Dom Francisco Serra Coelho, que partilhou a sua visão sobre esta manifestação de devoção.2(…) esta magnífica expressão de fé, que é a cerimónia religiosa em honra e louvor a Nossa Senhora das Candeias. “é a alma do nosso povo, no seu melhor.”

Dom Francisco destacou a cerimónia como uma representação da “alma portuguesa”, termo frequentemente utilizado por escritores românticos para descrever a essência do povo português. A celebração é também um exemplo do “Culto Branco”, associado à veneração de Nossa Senhora e à paz que a sua imagem transmite, à toalha branca do altar na celebração da Eucaristia e à memória dos defuntos, bem como à receção festiva ao Papa e às tradicionais festas de casamento.

“A brancura de Nossa Senhora juntou uma imensa multidão em Mourão, muito mais gente do que os habitantes do Concelho. Afirmou o arcebispo, sublinhando a ampla participação e o sentido de comunidade que caracterizam esta festividade.

Sobre as procissões, Dom Francisco refletiu sobre o seu significado: “São sempre uma expressão de fé. Os devotos, o povo da Igreja, publicamente mostram o seu credo. É um testemunho de fé muito importante e de esperança, é um povo que acredita que não está só, é um povo que encontra sentido para a vida, para o sofrimento, para a morte. Uma procissão é sempre um ato de esperança.”

Agradecendo a todos os que acompanharam a reportagem, a Rádio Campanário reafirmou o seu compromisso de estar próxima dos eventos que refletem a fé e a cultura portuguesa. “Obrigada e um abraço a todos os que nos seguem”, concluiu a estação, marcando o fim de mais uma reportagem que aproxima os ouvintes do coração das tradições portuguesas.

Populares