29.8 C
Vila Viçosa
Sexta-feira, Junho 14, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Vacas Japonesas Wagyu “Made In” Alentejo com carne mais cara do mundo (c/som)

São uma estreia a nível nacional, chamam-se vacas wagyu e são de raça japonesa. Os campos do Alentejo são palco habitual da criação extensiva de gado e agora têm novos habitantes na Herdade da Pereira.

As vacas de raça japonesa wagyu que dá carne que é considerada a melhor e a mais cara do mundo. Numa herdade vizinha do Aeródromo Municipal de Évora, cerca de 20 vacas wagyu, várias prenhas, adaptaram-se à região e vagueiam por um extenso campo cercado, com pasto e feno à disposição e separadas de outras raças bovinas.

Manuel Silveira, produtor de vacas japonesas, confere à Rádio Campanário que “este tipo de vacas não têm um aspecto de uma vaca normal de carne, ou seja quem olha para as vacas vai encontrar mais semelhanças com uma vaca de leite do que uma vaca de carne. Isto porque são animais que durante toda a vida foram utilizadas como animais de trabalho e que a sua genética não foi trabalhada pelo homem por forma a ser um produtor de carne de quantidade”.

É destas vacas pretas, de aspecto franzino e ossudo, mais semelhantes às vacas leiteiras do que às tradicionais raças criadas para carne, que vem a carne kobe, cuja fama é proporcional ao preço, que é considerada como a melhor do mundo. Manuel explica à Rádio Campanário que tal se deve "à quantidade de marmoreado ou gordura intramuscular que a raça produz em condições óptimas de maneio, o que lhe confere sabor e uma tenrura e macieza diferente de toda a outra carne", referindo ainda que “esta gordura intramuscular que caracteriza-se por ser muito rica em ómega-3 e ómega-6. É associada a uma gordura da sardinha, do salmão e a peixes gordos”.

Manuel diz que este aventura surgiu quando queriam um negócio diferente e com as melhores rentabilidades, dizendo ainda que esta oportunidade apareceu com uma pareceria com um grupo espanhol que também cria esta raça de vacas na zona de Burgos (Espanha) e comercializa a respectiva carne.

“Nós vendemos vitelos com seis a oito meses. Nós criamos os vitelos até aos 8 meses e aí sai para Espanha para o processo do engorda com cerveja, vinho, massagens e com a música clássica. Ou seja, devido à cultura japonesa que é uma cultura especial e diferenciada da Ocidental os animais durante a fase da engorda são massajados é-lhes fornecido cerveja, vinho na sua alimentação o que lhes vai conferir algumas qualidades à carne”, realça Manuel Silveira.

Relativamente ao custo que esta carne pode ter, Manuel Silveira refere que por exemplo nos Estados Unidos um  bife pode custar 900€. Em Portugal esta carne oscila entre os 60 e os 120 euros por quilo, o que não é para todos os bolsos.

Satisfeitos com o novo negócio, os produtores já estão a aumentar a manada e querem que outros criadores do Alentejo e do país se "aventurem" na criação das wagyu.

Foto: D.R.

Populares