33.2 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Julho 16, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Évora: Rapto ou não? Luana viveu oito meses numa casa, sem ir à rua!” Situação atípica” diz PJ

Tal como a Rádio Campanário noticiou, e conforme avançou a PJ em comunicado, Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo DIAP de Leiria, identificou e deteve um homem pela presumível autoria de um crime de rapto, logrando ainda localizar e entregar à família uma menor, dada como desaparecida em finais de maio de 2022 na cidade de Leiria.

Em estreita colaboração com a Unidade Local de Investigação Criminal da Polícia Judiciária de Évora, foi possível identificar o suspeito e localizar a menor na sua residência, sita na cidade de Évora, onde, a coberto de uma suposta relação amorosa, este a manteve em completo isolamento social durante oito meses, aproveitando-se da sua persistente e recorrente dependência de jogo online, imaturidade e personalidade frágil.

O detido, empregado fabril, com 48 anos de idade,  foi  presente às autoridades judiciária e foi-lhe aplicado o  termo de identidade e residência e a  proibição de contactar a menor.

Em conferência de Imprensa , a PJ do Centro, confirmou que a Jovem encontrada em Évora,era Luana Ribeiro, uma jovem desaparecida há 8 meses, na altura com 16 anos, agora com 17 anos.

O diretor da PJ do Centro, a jovem “estava na sua liberdade, numa casa, na companhia de uma determinada pessoa, o detido, mas ela estava livre”.

Face às circusntãncias, a Polícia Hudiciária diz tratar-se d euma situação atípica.

Luana, jovem dedicada aos jogos onlene terá conhecido Carlos, o empregado fabril residente em Évora, numa dessas ocasioes segundo avança o Expresso. As conversas entre os dois terão durado três anos. Carlos, que até então era casado, ter-se-á divorciado estando ainda a PJ a tentar perceber se Luana foi a causa da rutura entre o casal.

Paula Pereira, mãe da jovem, em entrevista à SIC revelou que, em setembro, encontrou mensagens “amorosas” trocadas entre a jovem e o suspeito, e que transmitiu às autoridades justificando que não procurou a filha em Évora, para não colocar em risco  a investigação.

A Jovem, indicou a mãe, diz que a  menor, quando lhe foi entregue ,  estava “muito cansada” e “abatida do excesso de cansaço” acrescentando ainda que a Jovem vai ser agora submetida a exames médicos para averiguar se houve ou não contacto sexual.

Leia a notícia completa em Expresso

Fotos: CMTV e Notícias ao Minuto

 

 

 

  •  

Populares