39.8 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Julho 23, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Paralisação das empresas de pronto-socorro “é total” no Alentejo

Várias empresas de pronto-socorro,  associadas e não associadas da ARAN,  iniciaram esta madrugada uma paralisação devido ao aumento do preoço dos combustiveis.

Nas regiões do Alentejo e Algarve esta paralização é total, pois o setor de pronto-socorro vive dias dramáticos e apesar do sinal positivo dado pelo Governo, o futuro adivinha-se cada vez mais difícil. 

Recorde que a Associação Nacional do Ramo Automóvel tem vindo a alertar o Governo, a Assembleia da República e os parceiros destas empresas para o encerramento de muitas destas empresas que prestam serviços de assistência a veículos em estrada.

A situação em que estas empresas se encontravam devido ao aumento descontrolado dos seus custos gerais, em particular dos combustíveis e da mão de obra, era já de agonia, o anunciado recente aumento do preço do gasóleo deixa estas empresas numa situação insustentável.

Neste momento, face ao aumento galopante do preço do gasóleo, não terão como sobreviver.

Assim, a ARAN, mais uma vez, enviou com carácter de muita urgência uma carta ao Senhor Primeiro-Ministro, da qual deu conhecimento ao Senhor Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, ao Senhor Ministro de Estado e das Finanças e ao Senhor Ministro das Infraestruturas onde apela à adoção de medidas face à situação atual.

Mais do que necessárias, impõe-se medidas imediatas, quer transitórias quer estruturais, impondo-se que as medidas anunciadas pelo Governo para os transportes em geral e aos transportes de passageiros e táxi se estendam a este setor de atividade.

No âmbito das medidas estruturais, a ARAN já apresentou mais do que uma vez as seguintes propostas e cuja implementação reclama:

a) Regime de reembolso de impostos sobre combustíveis, ou o denominado, gasóleo profissional, para as empresas que se dedicam à atividade de prestação de serviços através de veículos de pronto-socorro;

b) Extensão do disposto no artigo 4.º-A do regime jurídico do contrato de transporte rodoviário nacional de mercadorias aos contratos de prestação de serviços através de veículos de pronto-socorro;

c) Elegibilidade das empresas de prestação de serviços de pronto-socorro para o reembolso de impostos sobre combustíveis, bem como os seus veículos que são igualmente da categoria D, sendo necessário ajustar o peso elegível de forma a alargar o âmbito de aplicação;

d) A isenção de IUC para veículos de categoria D que sejam utilizados exclusivamente para fins empresariais no âmbito da atividade de prestação de serviços de pronto-socorro.

É urgente e essencial a adoção de medidas para o setor de pronto-socorro por parte do Governo e a atualização das condições de mercado dos parceiros destas empresas, sob pena de serem forçadas a paralisar, colocando em causa a circulação e segurança rodoviária.

Leia AQUI o artigo completo.

C/Observador e ARAn

Populares