33.2 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Julho 16, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Portalegre: Museu da Tapeçaria inaugura duas Exposições da “Arte no Feminino”(C/Fotos)

Decorreu ontem, 09/06, no Museu da Tapeçaria de Portalegre – Guy Fino, a inauguração das duas Exposições da “Arte no Feminino”, designadas “Em Ponto de Portalegre” e “Conceber e Tecer, Tecer e Conceber (CTTC)”.

A Presidente da Câmara Municipal de Portalegre, Fermelinda Carvalho, acompanhada da Vereadora da Cultura, Laura Galão, conduziram ambas as inaugurações da “Arte no Feminino”.

“Em Ponto de Portalegre”, com a curadoria de Vera Fino e Maria João de Melo, foi a primeira exposição a ser observada pelos visitantes. Nesta exposição, frisou-se a relevância da mulher na área têxtil, mais concretamente na tapeçaria.

Através de uma mostra de tapeçarias e cartões de cerca de duas dezenas de artistas conceituadas, a primeira exposição tem ligação com a Manufactura das Tapeçarias de Portalegre, no sentido em que as pintoras e tecedeiras homenageadas produziram trabalhos de excelência, que preenchem de forma incomparável os murais, com base numa mistura de cores vivas, sobreposições, sombras e criatividade.

Vera Fino e Maria João de Melo orgulham-se de fazer parte destes trabalhos femininos, valorizando as distintas e talentosas artistas que escolhem a tapeçaria como arte nas suas vidas, continuando a assegurar o panorama cultural contemporâneo regional e nacional, tal como o Museu da Tapeçaria de Portalegre – Guy Fino.

Na inauguração da segunda exposição “Conceber e Tecer, Tecer e Conceber (CTTC)”, foi referido um agradecimento às 34 artistas representadas, com as suas obras criativas, e à curadora da exposição, Ana Maria Gonçalves.

A segunda exposição, numa vertente mais contemporânea, representa uma tapeçaria distinta, focada em formas orgânicas e outros materiais alternativos, que transparecem o percurso das primeiras mulheres que utilizaram a tapeçaria como forma de emancipação e afirmação.

Madalena Brás Teixeira, antiga diretora do Museu do Traje, louvou o Museu da Tapeçaria de Portalegre pela reunião da tapeçaria erudita e da tapeçaria clássica, num sentimento prazeroso de fazer parte desta exposição, criando um laço importante entre o contemporâneo e o moderno.

Reconheceu essencialmente as artistas Gisella Santi e Maria Flávia Monsaraz, que contribuíram para o desenvolvimento e elevação da tapeçaria como arte, em meados do século XX, ao nível de outras áreas como a escultura, o desenho, pintura, fotografia, entre outras. Hugo Ferrão, professor na Faculdade de Belas Artes, recebeu os seus agradecimentos por contribuir para a história da tapeçaria, realçando o apoio e a força para a realização de qualidade do estudo da tapeçaria no ensino.

Este momento foi proporcionado por todas as artistas que contribuíram com os seus trabalhos rigorosos e, desta forma, Ana Maria Gonçalves agradeceu a todas as artistas, não apenas pelas obras facultadas, mas também por toda a documentação e apoio nesta jornada. As 34 artistas, entre séniores e emergentes, que pertencem a esta exposição CTTC, foram homenageados individualmente.

A inauguração terminou com um texto de Maria Flávia de Monsaraz, designado “Trabalho da Alma” – “(…) Nós somos radiação e poder. (…) Assim, trabalhamos com a luz, e transformamos a escuridão em dia”.

O Município de Portalegre terminou a publicação a agradecer às artistas e oradoras de ambas as exposições da “Arte no Feminino”, ao público presente na inauguração das exposições, que poderão visitar até final do presente ano, dia 31 de dezembro de 2022, e ao Museu da Tapeçaria de Portalegre – Guy Fino, pelo trabalho, organização e contribuição constante no acesso à cultura.

Populares